O que sobrou de nós

Primeiro nos adaptamos à quarentena e a ficar e trabalhar em casa. Agora que estamos voltando ao que era antes, ou ao que sobrou de antes, não sabemos mais como devemos proceder.

O choque comportamental desse retorno tem sido bem semelhante ao do afastamento inicial. Ambos estão requerendo de nós autoconhecimento, estabilidade emocional, respeito próprio e ao outro, empatia.

Quando se trata de ambiente de trabalho não há uma regra geral porque estamos tratando da gestão de pessoas e essas pessoas podem não ter mudado suas essências, mas certamente mudaram alguns hábitos, dos quais podem não querer mais abrir mão.

A cultura da empresa, área de atuação e seu DNA permanecem dominantes, mas tornou-se imprescindível pensar em possíveis adaptações de comportamento e ambiente aos bons costumes adquiridos pelos colaboradores durante a pandemia.

Unir o útil ao agradável: estabilizar e reter colaboradores eficientes lhes possibilitando a introdução desses novos hábitos ou flexibilizando outros, deixando o ambiente de trabalho mais saudável e produtivo.

Um ambiente de escuta realmente ativa e de troca entre gestor e colaborador é imperativo justamente para evitarmos um grande racha.

Bons hábitos podem ser preservados, cultivados e compartilhados. Por que não considerar incluir alguns na nova realidade de trabalho que está sendo agora reconstruída?

Que tal compartilhar?

Share on facebook
Facebook
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais artigos

Você também pode gostar destes

Cadê meu feedback?

Feedback é uma palavra inglesa que significa realimentar ou dar resposta a um determinado pedido ou acontecimento.  No ambiente corporativo é um termo comumente utilizado como

O que sobrou de nós

Primeiro nos adaptamos à quarentena e a ficar e trabalhar em casa. Agora que estamos voltando ao que era antes, ou ao que sobrou de