Uma reflexão profissional durante as férias no Chile

Passei as férias no Chile e vivi uma imersão num mundo que trata a pandemia com o devido respeito e que me fez refletir.

Máscaras utilizadas corretamente e em todos os locais, por qualquer tipo de pessoa. Álcool gel na entrada de todos os lugares públicos, acoplado a controle de temperatura com alarme.

O Chile vem sendo considerado um dos países mais seguros para se viajar na pandemia. Não só por todo esse controle, mas também pelo “pente fino” a que submetem os turistas antes de entrarem no país. Quase dois meses antes da viagem é preciso enviar comprovantes de vacina, documentos pessoais, exames e aguardar a autorização de entrada pelo Ministério da Saúde local, entre outras coisas.

Esse foi o lado realmente admirável de se fazer turismo nesses tempos esquisitos.

Porém, estando lá, um outro fator chamou muito a minha atenção – o déficit na prestação de serviços. E aí a impressão não foi nada positiva.

Fomos recepcionados por profissionais visivelmente incomodados com a nossa presença, talvez sugestionados pelo “agressivo” controle da Covid. Ao contrário do clima já visto em outros lugares, e até no Brasil, os chilenos estavam não só com um ar cansado, como mal-humorados e nada receptivos.

Mas, acima de tudo, estavam despreparados!

Jovens iniciando no mercado de trabalho foram colocados em postos provavelmente antes ocupados por profissionais experientes, e mais custosos. Embora louvável dar vez à juventude, a falta de treinamento faz cair por terra qualquer lado profícuo da iniciativa.

E esse é um exemplo claro a não ser seguido. A pandemia explica muita coisa, mas não justifica certas medidas corporativas.

Não há justificativa para o corte de treinamento visto que a prestação de serviços vive do bom atendimento e do retorno do cliente. Cliente infeliz, não retorna e não divulga, tornando o negócio inviável. Ou seja, trata-se de uma economia burra e que não se sustenta.

Hotéis com recepcionistas, garçons e camareiras despreparados será alvo fácil de críticas nos portais especializados.

Restaurantes com extrema lentidão e atendimento grosseiro terão o mesmo destino.

E, sob a análise em larga escala, destinos turísticos antes disputados, passarão a ter a fama de “micados”. Afinal, ninguém gosta de pagar para ser maltratado. Mais ainda no atual momento, onde tudo está mais sacrificado e à flor da pele.

Se eu indico o Chile para alguém? Com certeza! Possui paisagens maravilhosas. Mas indico para o futuro, quando o medo já não fizer mais parte da sua rotina. Porque, nesse momento, e com tantas barreiras, o Chile é destino apenas para quem realmente precisa.

Agora imagine que essa minha declaração se referisse à sua empresa ou ao seu serviço. E que ela ganhasse repercussão nas redes. Será que teria valido a economia?

Treinamento corporativo e de pessoal nunca são um gasto e sim, investimento. E, certamente, um diferencial antes e ainda mais valorizado no mundo durante a pandemia.

Estamos dando mais atenção ao consumo, às relações e ao bem-estar. O prestador de serviço que não se atentar a isso, terá dificuldades.

Para mim lógico que a viagem valeu, como todas sempre valem! Mas a experiência ficou assim registrada.

É assim que você gostaria de ser lembrado pelo seu cliente? De um local seguro, mas sem alma!

Que tal compartilhar?

Share on facebook
Facebook
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais artigos

Você também pode gostar destes

O QUE EU FAÇO COM O MEU PIJAMA?

Primeiro nos adaptamos à quarentena e a ficar e trabalhar em casa. Mil lives e conteúdos orientando a como sobreviver ao “novo normal”. Agora que