Cada vez que falo sobre o meu trabalho fico ainda mais encantada!

Porque é conversando que a gente entende a profundidade da comunicação da imagem e a necessidade de o comportamento estar alinhado a essa imagem.

De cara, a consultoria sofre o preconceito do “supérfluo” / “perfumaria”… Mas, você se empoderar da própria imagem, dominando a influência que terá sobre o conceito das outras pessoas, não tem nada de supérfluo!

Também não se trata de um tratamento milagroso – a mudança não acontece da noite para o dia. Embora a consultoria tenha começo, meio e fim, seus efeitos se prolongam no tempo porque as fichas vão caindo aos poucos, na medida em que o cliente vai absorvendo minhas observações, entendendo-as e colocando-as em prática sem perceber, naturalmente.

Aos olhos dos outros, as transformações são sutis, e aí está a graça. Talvez não consigam dizer o que está diferente em você, mas têm a certeza de que houve uma mudança positiva!

Para mim, ver o cliente se descobrindo aos poucos e se modificando, é uma imensa alegria porque sei o quanto de bem-estar e segurança estão embutidos ali.

E, depois do autoconhecimento indispensável no processo, a autoconfiança é um dos melhores benefícios agregados à consultoria. O domínio de si mesmo – saber com propriedade como se colocar em cada situação específica, sem esforço, e saber como sua imagem será “lida” pelos demais.

Primeiro saiba quem você é; depois, enfeite-se de acordo.

Epictetus